sábado, 31 de março de 2012

Mixtape "Egotrip C.II" - Marcos Patroni Chyrah | Download Completo


Aqui está uma mixtape que a julgar pelo título e principalmente pelas participações (de peso), promete ser uma verdadeira bomba.


Baixe aqui.


J.I

sexta-feira, 30 de março de 2012

Mixtape "Crazy 4 Show" - N-Ex | Download Completo


Mixtape "Crazy 4 Show" de N-Ex, lançada pela Star Unit Records.


Baixe aqui.


J.I

"Meu Coração Aperta" - Digit Boyz | Download


Digit Boyz é grupo que vem despontando no cenário musical namibense. E o que não falta a estes jovens certamente é talento.

Confira baixando e ouvindo a música "Meu Coração Aperta".

Baixe aqui.


J.I

"Proibido Ouvir Isto" No Lubango | 31.03.2012 (Amanhã)



J.I

"Deixa a Tua Marca" - Kissonde | Download


Mais um som do luso-angolano Kissonde tcc Jay Petit. Este intitula-se "Deixa a Tua Marca" e conta com a produção de Men10.

Nesta música Kissonde apela aos seus colegas de microfone a trabalharem para marcarem o seu nome na história destes tempos. Uma ideia boa, não fosse a baixa qualidade sonora e a performance pouco atractiva do rapper.

baixe aqui.


J.I

O Futuro | Humor



J.I

quinta-feira, 29 de março de 2012

"Revanche" - Mr. Leos | Download


"Revanche" é a segunda 'preliminar' do grupo Colectivo à Resistência, na voz de Mr. Leos tcc Tornado.

Nesta música o dread  foge daquilo que é a linha lirical do grupo (intervenção social) e entra na onda do eggotrippin. Com dicas como: "... Esperem pelo álbum com muita lucidez\ críticos, critiquem-se à vocês\ criticam e nunca fazem\ nunca vão comprar os cd's..."

Baixe aqui.


J.I

A DECLARAÇÃO DE PAZ DO HIP HOP


Declaração de Paz do Hip Hop foi entregue à Organização das Nações Unidas em 16 de Maio de 2001. Foram colectadas assinaturas por várias organizações, tais como: O Templo do Hip Hop, Ribbons Internacional, UNESCO e também por 300 activistas do Hip Hop, pioneiros e delegados da ONU.

Em primeiro lugar, o documento reconhece o Hip-Hop como uma cultura internacional de paz e prosperidade. É também um conjunto de princípios que orientam todos Hip-Hoppers sob uma forma de sustentar o carácter pacífico da Kultura Hip Hop e formar e buscar a paz mundial.

Além disso, esta declaração destina-se a mostrar o Hip-Hop como um fenômeno positivo que não tem nada em comum com a imagem negativa esteriotipada do Hip Hop sendo apresentada actualmente como algo que corrompe os jovens e por ventura incentiva-os a irem contra a lei e a sociedade. KRS One, Pop Master Fabel, Afrika Bambaataa, Ralph Mc Daniels e HarryAllen foram algumas das pessoas que tiveram sua participação na criação da declaração.

A Declaração de Paz do Hip Hop

Esta Declaração de Paz do Hip Hop tem como intuito orientar e estabelecer a paz em direção à liberdade contra a violência, a mesma estabelece o conselho e protecção para a existência dos desenvolvimentos das comunidades internacionais do Hip Hop. Através dos princípios da Declaração de Paz do Hip Hop. Nós da Kultura Hip Hop, estabelecemos uma fundação de saúde, amor, consciência, riqueza, paz e prosperidade para nós mesmos, nossos filhos , filhos de seus filhos e geracao posteriores para sempre.
Para o esclarecimento do significado do Hip Hop e seus efeitos, ou mesmo quando a intenção de Hip Hop é questionada, ou até mesmo quando os litígios e as disputas entre as partes acabam surgindo entre si sobre a questao do Hip Hop. Hiphoppas terão acesso aos pareceres do presente documento, a Declaração de Paz do Hip Hop, como orientação, aconselhamento e protecção para todos.

Primeiro Princípio

Hip Hop é um termo que descreve a nossa consciência coletiva independente. Sempre em crescimento, ela geralmente expressa através de elementos como o Break, Emceein, a arte do Grafiti, D.J., Beatbox, A Moda Urbana, A linguagem das Ruas, Conhecimento das Ruas, e Empreendedorismo. Sempre e sempre presente em rumo ao futuro os elementos e as expressões se manifestam representando a Kultura Hip Hop. A Declaração de Paz do Hip Hop deve aconselhar o uso e a interpretação de tais elementos, expressões e estilo de vida.

Segundo Princípio

A Kultura Hip Hop respeita a dignidade e a santidade da vida, sem discriminação ou preconceito. Hip Hoppas devem considerar cuidadosamente a protecção ao desenvolvimento da vida, sem que a decisão individual de a destruir ou procurar alterar o curso do seu desenvolvimento natural.

Terceiro Princípio

A Kultura Hip Hop respeita as leis e os acordos de sua cultura, seu país, suas instituições e com quem fazem negócios ou transações com ele. Hip Hop não viola as leis de forma irresponsável ou sem compromissos.

Quarto princípio

Hip Hop é um termo que descreve a nossa consciência colectiva independente. Como uma forma de vida consciente, reconhecemos a nossa influência na sociedade especialmente nas crianças e nos mais jovens, e continuaremos mantendo sempre os direitos e o bem estar tanto físico mas tambem mantendo uma mente saudável. A Kultura Hip Hop incentiva a feminilidade, a masculinidade, a irmandade, a fraternidade, a infância e a família. Nós não somos propositadamente conscientes no sentido de trazer qualquer forma de desrespeito ou abuso intencional que ponha em pauta e risco a dignidade e a reputação das nossas crianças, anciãos ou idosos e antepassados.

Quinto Princípio

A capacidade de definir, defender e educar é encorajada, desenvolvida, preservada, protegida e promovida como um meio para a paz, prosperidade e para a proteção e o desenvolvimento da nossa auto-estima. Através do conhecimento da finalidade e do desenvolvimento da nossa natural e habilidades aprendidas, Hiphoppas são incentivados a sempre apresentar seus melhores trabalhos e ideias.

Sexto Princípio

Hip Hop não honra qualquer relação, pessoa, acontecimento, ou onde a preservação e desenvolvimento da cultura Hip Hop seja manipulada para diferentes fins que nao sejam os reais aos principios do verdadeiro Hip Hop, ou até mesmo onde os princípios e os elementos não são considerados e respeitados. A Kultura Hip Hop não participa em atividades que claramente alterem seus valores ou destruam a sua capacidade de existir pacífica e produtiva. Hiphoppas são encorajados a iniciar e participar de negocios com honestidade em todas as negociações e transações feitas no presente e no futuro a serem realizadas.

Sétimo Princípio

A essência do Hip Hop esta além do entretenimento: Os elementos do Hip Hop podem ser trocados por dinheiro, honra, poder, respeito, alimento, abrigo, informações e outros recursos. Porem no entanto, o Hip Hop não pode ser comprado, nem está à venda. Não podem ser transferidos ou trocados por qualquer pessoa ou por qualquer compensação em qualquer momento ou em qualquer lugar. Hip Hop é um princípio de valores inestimável, incalculavel da nossa auto-capacitação. Hip Hop não é um produto descartável.

Oitavo Princípio

Companhias, corporaçaões e organizações sem e nao fins lucrativos. Indivíduos e grupos que claramente buscam a se beneficiem da utilização, interpretação, ou mesmo a exploração do Hip Hop, suas expressões e terminologias, são incentivados e em alguns casos obrigados a uma comissão ou contratar por um tempo integral ou ate mesmo meio período de tempo parcial certificada que exista um especialista do Hip Hop cultural para interpretar e responder sensíveis questões e perguntas culturais em relação aos princípios e à apresentação adequada do Hip Hop num todo expondo os elementos, explicando a cultura em relação às empresas, indivíduos, organizações, comunidades, cidades, e ate mesmo palestras educativas em outros países.

Nono Princípio

O dia 03 de Maio é o dia internacional da música Rap. Hiphoppas são incentivados a dedicar o seu tempo e seus talentos para o auto-desenvolvimento e para o serviço às suas comunidades. Toda terceira semana de maio é a Semana de Apreciação ou Homenagem da Kultura Hip Hop. Durante este tempo, Hiphoppas são incentivados a honrar os seus antepassados, a reflectirem sobre as suas contribuições culturais e apreciar os elementos e os princípios da Kultura. Novembro é mês da História do Hip Hop. Durante este tempo Hiphoppas são incentivados a participar na criação, aprendizagem e honra da história do Hip Hop e seus históricos contribuintes culturais.

Décimo Princípio

Hiphoppas são incentivados a construir relações significativas e duradouras que se baseiem no amor, confiança, igualdade, entendimento e respeito. Hiphoppas são incentivados a não trair, abusar ou enganar os seus amigos.

Princípio Décimo-Primeiro

A comunidade Hip Hop existe como uma cultura internacional de consciência que fornece todas as raças, tribos, religiões, pessoas e diferentes estilos. Uma fundação voltada para incentivar a comunicação das suas melhores ideias e obras. O Hip Hop em si é unido por pessoas multi-qualificados, de diferentes ramos multi-culturais, multi-religiosas, pessoas de diferente ambientes multi-raciais, comprometidas com o estabelecimento e o desenvolvimento da paz.

Princípio Décimo Segundo

A Kultura Hip Hop não participa intencionalmente ou voluntariamente, em qualquer forma de ódio, fraude, preconceito ou roubo sequer em nenhum momento. Em nenhum momento o Hip Hop deve exercer qualquer forma violenta de guerras dentro de si. Aqueles que dolosamente violarem os princípios da presente Declaração de Paz ou internacionalmente rejeitem o seu conselho perderão, devido às suas próprias acções a protecção nela previsto.

Princípio Décimo Terceiro

A Kultura Hip Hop rejeita o impulso imaturo de qualquer acto injustificado de violência , e procura sempre uma solução diplomática, não-violenta de estratégias na resolução de todas as disputas. Hiphoppas são encorajados a considerar o perdão e compreensão antes de qualquer ato de retaliação. A guerra é reservada como uma solução final, quando há evidências de que qualquer outro meio de negociações diplomáticas falharam repetidamente.

Princípio Décimo Quarto

Hiphoppas são encorajados a eliminar a pobreza, falar contra a injustiça e criarem uma sociedade mais solidária e um mundo mais pacífico. A Kultura Hip Hop suporta um diálogo e uma acção que cura as divisões na sociedade, aborda as preocupações legítimas da humanidade e faz avançar a causa da paz.

Princípio Décimo Quinto

Hiphoppas devem respeitar e aprender com as formas da natureza, independentemente de onde estivermos neste planeta. A Kultura Hip Hop considera sagrado o nosso dever de contribuir para nossa própria sobrevivência como independentes, livres em pensamentos e a todos os seres do Universo. Este planeta, vulgarmente conhecido como a Terra é a nossa mãe tambem de leite maternal. Hiphoppas são encorajados a respeitar a natureza e todas as criações e seres vivos habitantes da natureza.

Princípio Décimo Sexto

Os pioneiros do Hip Hop, lendas, sabios, mais velhos e antepassados não devem ser citados inadequadamente, mal representados , ou sequer em nehum momento serem desrespeitados . Ninguém deve professar ser um pioneiro Hip Hop ou lenda a menos que possam provar com factos e testemunhas a sua credibilidade e contribuição para a Kultura Hip Hop.

Princípio Décimo Setimo

Hiphoppas são encorajados a compartilharem seus recursos com os demais. Hiphoppas devem doar livremente e frequentemente seus recursos como e na medida do possível. É um dever de todos os Hiphoppas em ajudarem sempre que possível, o alívio e o sofrimento humano na correcção da injustiça existente. A forma mais honrada pelo Hip Hop é mostrar maior humildade e respeito mútuo. Os Hiphoppas devem se respeitar mutuamente. A Kultura Hip Hop é preservada, nutrida e desenvolvida quando os Hiphoppas a preservam, ajudando e desenvolvendo um ao outro.

Princípio Décimo Oitavo

A Kultura Hip Hop deve ser mantida de uma forma saudável, rica , sem pobreza de espírito. Temos o dever plenamente consciente de investir com o poder de promover, ensinar, interpretar, modificar e defender os princípios da presente Declaração de Paz do Hip Hop.

Deixe sua Assinatura

Assinando este documento, declaramos o nosso total apoio e adesão à uma e única, real Kultura Hip Hop, que se baseia em regras e valores apresentados na citada declaração. Também rejeitamos a imagem errada da Kultura Hip Hop que é frequentemente associada com a violência e a agressão ou é uma propagação estereotipada criada pela falsa e mentirosa comunicação de massa e icons comerciais do pseudo-Hip Hop e da cultura pop.

Este documento apresenta as intenções da Kultura Hip Hop num todo. Quando o bom nome da Kultura Hip Hop e usado de forma inadequada ou até mesmo sendo ameaçado por acções negativas de pessoas que se identificam com o Hip-Hop e em alguns casos nem sequer fazem parte, nem sequer obedecem aos princípios desta declaração, o documento (incluindo uma lista de assinaturas recolhidas) serão enviados para as instituições governamentais e meios de comunicação de massa.

Para fazer a sua assinatura clique aqui.


J.I

"Qual é o Mambo?" Versão Unas | Humor



J.I

quarta-feira, 28 de março de 2012

Mixtape "Doze Dupla" - MSK & BMP | Brevemente



J.I

"The Introduction" - Marlon Diddy com J Milli | Download


Música de Marlon Diddy, rapper angolano da Label BBP que se encontra em Miami (EUA). O som intitula-se "The Introduction" e conta com a participação de J Milli do grupo Turbinados.

Baixe aqui.


J.I

"A Rua e a Música" - Ladilson | Download


Nova música de Ladilson intitulada "A Rua e a Música".

Baixe aqui.


J.I

"O Propósito" - Soldado Mensi | Download


"O Propósito" de Soldado Mensi é a primeira preliminar de Arte & Cidadania.

Baixe aqui.


J.I

terça-feira, 27 de março de 2012

"Porquê??" - Afro-face com Big Boss | Download


Música de Afro-face membro integrante da Central City que conta com a produção e participação especial de Big Boss (Fresh Boys) e mistura de Claúdio Cruz tcc CMC.

Baixe aqui.


J.I

Laços de Honra | Brevemente



J.I

"Soldado Ferido" - Black Music | Download


Black Music, novo grupo de Hip-Hop formado no município do Sambizanga. Constituindo de 5 Elementos: Ladilson, Magnata, A-Mc, D-Mc e Paulo Mc

O grupo encontra-se a preparar uma mixtape de boas vindas e sai como 1ª musica promocional o som "Soldado Ferido",  tema interpretado por apenas 3 membros.

Baixe aqui.


J.I

Prisão 17 & Sensei | Promo



Prisão 17, rapper do Lobito e integrante do grupo Ciclone, da FAMÍLIA ETERNA, encontra-se de momento na capital, a fim de tratar de alguns projectos musicais. Como tal, o mesmo gravou recentemente uma mixtape intitulada "Alvalanche Rap" em colaboração com o Mc e produtor da Gruta Sónica Records,  Sensei. Com um total de 16 faixas previstas, a mesma comporta ainda participações de rappers como: Mozzart, Sombra, DNA, Scott, Ibri e Slick D.

Terminadas as gravações, Prisão 17 começou imediatamente a gravação da sua próxima mixtape à solo, tendo já um número considerável de sons até hoje, da qual brevemente estarão disponíveis para o público algumas promos.

Enquanto aguardamos o lançamento da mixtape colaborativa destes, o mano disponibilizou 4 faixas para download gratuíto:

* Minha Opção (com Mozzart & Sombra)  

* Música (com Sombra)




J.I

segunda-feira, 26 de março de 2012

Mixtape "Killahominização" - Killahome | Brevemente


Para os frequentadores assíduos no blog, o nome Killahome não é nada estranho. Ainda assim deixem-nos dizer que esta mixtape promete.

Fiquem atentos.


J.I

Cenas Que Curto X Diamantes do Hip Hop



J.I

Ready Neutro, Abdiel & Drunk Master | Huambo | 01.04.2012


Pois é, parece mentira, mas tudo indica que não. Huambo que se prepare para receber estes gigantes do Street Rap.


J.I

domingo, 18 de março de 2012

A Nivel Global Worldwide Apresenta: Projecto Esperança Jovem | Município da Samba | Por Miguel Neto



A actividade sócio-cultural gratuita terá lugar no Morro Bento dia 31/03/2012 pelas 10:30 mn, mais concretamente no restaurante Rosie, em frente ao restaurante Kicagil. Este Projecto filantrópico visa encorajar os munícipes da capital, incentivando as crianças a respeitarem os pais, pedindo os jovens que se dediquem mais aos estudos e rogando aos adultos para que tenham maior compaixão.

Tendo o projecto iniciado aos 25/06/2011 no Marco Histórico do Cazenga, a actividade em epígrafe vai contar com Miguel Neto (o mentor) e os respectivos activistas que são Manuel Loth (Futebol), Vata Garcia (Futebol), Phather Mak (rapper), João N‘Tyamba (Atletismo), Bela Chicola (cantora), Dr Romeu  e Kiambote (rappers). 

A Nível Global Worldwide endereça agradecimentos ao activista e rapper Kudibanguela, pelo empenho e contribuição ao movimento Hip Hop de Luanda. A presença de todos é muito importante.

                                       Sem mais, subscrevo-me:


Administrador da NGW

Miguel NETO

(Nível)




J.I

Corleone | Download Promo


Musicas promocionais do trabalho discográfico a ser preparado pelo rapper Corleone:

* Atras da Massa Com Mad Superstar

* Estou em Djia Com Abdiel

Baixe aqui.


J.I

sábado, 17 de março de 2012

"Hip-Hopera" - Verbal | Soundcloud


Verbal, rapper angolano radicado em Portugal, acaba de lançar a sua mais recente obra discográfica intitulada "Ejazzerado".

Enquanto se espera pela análise da mesma aqui no blog, curtam a faixa "Hip-Hopera", que conta com a participação e produção de Kilu:



J.I

sexta-feira, 16 de março de 2012

DIÁLOGO SANGRENTO | Por Harvey Madiba (Universidade Hip Hop)


Já aqui falamos sobre o espancamento de que foram vítimas alguns rappers a quando da manifestação (pacífica) planeada para 10 de Março último.

Trazemos agora o testemunho ditado por Harvey (da Universidade Hip Hop), da horrível experiência que vivenciou ao lado de Luaty Beirão (Ikonoklasta):

"Não sou de escrever neste estado de espírito, algo pretende sair dentro de mim. Não sei o que é, ainda tenho em mim a imagem do suposto diálogo juvenil...

... Corpos parecendo batuques, onde os CAENXES do Bento Kangamba eram os percussionistas, com ferros e paus na mão dispostos a causarem danos por ordens superiores. Levou-se tanto, mas mesmo assim o pessoal continuou pacífico depois de tanta porrada.

O VICE-ADMINISTRADOR DO CAZENGA, se fazia presente no local e até estava a negociar, para não partimos para a violência, mesmo depois de tantas detenções e ferimentos dos nossos manos,o VICE pôs-se a falar comigo e o Tukayano.

Me lembro de ter ouvido alguém a gritar: 'AGARREM-ME O MULATO' (ninguém sabe o que eles pretendiam com o Luaty), segundos depois o mano Luaty já se encontrava no chão ensanguentado, fizemos logo uma cobertura, para o brada poder fugir, e corremos todos. Houve um mano (já não me lembro quem) que ganhou coragem e pediu aos demais para montarem uma corrente de força. Por instantes, os bófias pararam de bater (afinal de contas eles também ficam com medo), mas segundos depois receberam a ordem do próprio VICE-ADMINISTRADOR, que no princípio pareceu-nos ser da paz (esta paz de rascunho, cheia de borrões), para dispararem, e foi assim que tudo começou, os disparos não paravam, parecia que estávamos em estado de GUERRA. Mas será possível alguém fazer GUERRA com papeis na mão?

Cantando a dor e o sofrimento deste povo (POVO BURRO), que assistiu a violência protagonizada, coniventes sem no mínimo intervir. A POLÍCIA ao lado a defender os CAENXES do Bento Kangamba, ainda no Cazenga na sequência da corrida, o grupo todo ficou disperso, alguns caíram na estratégia dos CAENXES, outros tiveram a sorte de receber abrigo em casas de angolanos que se sentiram solidários a causa.

Eu, o mano MALEMBE, o kota Alexandre (jornalista da Voz da América, também levou) e o mano LUATY (ensanguentado com a cabeça toda fudida, quase que tínhamos que transportar o brada, de tanto enjoo “efeito da pancada levada na cabeça”) tivemos a sorte de ter conseguido abrigo (invadido) numa (uma) casa de TJ's (Testemunhas da Jeová), que não nos entregaram mesmo não sabendo quem éramos.
No princípio os donos da casa, ficaram bwé assustados (o que é bem normal, para quem vê a sua casa invadida e um dos invasores a sangrar) e na rua os ASSASSINOS a gritarem 'agarra, são GATUNOS'. Naquele momento apesar da dor, pensavamos apenas no ADÃO RAMOS. O Luaty a perder os sentidos, mas não parava de repetir: Harvey, o ADÃO… Nós deixamos o ADÃO, liguem para o ADÃOHarvey, o ADÃO… Como é que está o ADÃO, liguem para o ADÃONaquele instante, até eu próprio esqueci-me que tinha saldo no telefone (a aflição era tanta), tentávamos manter a calma, mas não era possível (até o SUPER HOMEM naquele situação ficaria assustado).

Uma cena bwé engraçada, que aconteceu: a casa tem um anexo (a família vive na casa grande e no anexo um dos filhos), que no momento em que invadimos a residência, ele (o filho) se encontrava a dormir no seu anexo, ao ouvir o barulho feito pelos seus familiares, saiu a correr e ficou em frente a porta de casa impedindo a nossa entrada, na aflição entramos (eu e o Luaty) no anexo do brada (o filho, que saiu para proteger a famílias, mesmo sem saber se estávamos armados ou não) e tranquei deixando de fora o Malembe e o kota Alexandre… Quando o Malembe chamou por mim, abri e dei de frente com o kota Alexandre (e ele estava com um chapéu e óculos escuros), e dentro de mim eu pensei pronto agora estamos feitos. Mas o Luaty reconheceu e disse que era jornalista e só assim eu deixei entrar e trancamos a porta.

Ficamos todos quietos, atentos a movimentação, 10 ou 15 minutos depois os donos da casa começaram a bater a porta: 'PODE ABRIR… SOMOS NÓS, OS DONOS DA CASA. PODE ABRIR!!! SE NÃO ABRIR, VAMOS CHAMAR A POLÍCIA',
Ficamos na dúvida e com bwé de desconfiança e as últimas palavras aumentaram ainda mais o nosso medo, o kota Alexandre (que eu suspeitava ser um bófia), pediu que eu abrisse a porta, abri e só assim conseguimos explicar o que realmente se passava.

Marcou-me muito a hospitalidade e a preocupação deles com 4 (quatro) indivíduos estranhos (que poderiam muito bem ser GATUNOS como gritavam na rua os CAENXES). Fomos bem tratados com direito a comida e bebida (marcou-me muito a forma que a família sentiu a nossa aflição).

Fizeram o curativo ao Luaty, dei indicações a um dos putos para controlar a zona e recolher informações (sem dar bandeira), assim o fez. O Malembe continuava bwé assustado, e nós (eu, o kota Alexandre e o Luaty) a fingir que não estávamos.

O kota Alexandre pediu a família, que agissem naturalmente para não chamar a atenção e assim o fizeram. Gravou-se uma entrevista em directo para a RTP (por intermédio do kota Alexandre). E entramos em contacto com os outros manos para saber da situação. Minutos depois tivemos, informação que o ADÃO RAMOS, estava fixe e que o kota BONAVENA apareceu no local, para lhe socorrer. 

Esperamos que a poeira baixasse, mas o BÓFIAS continuavam nas ruas e nos becos do Cazenga, os gajos usaram crianças para passarem informações. Horas depois, no período da tarde, depois de vários contactos, Conseguimos boleia (três carros) e saímos seguros da residência que carinhosamente nos acolheu.

O MEU MUITO OBRIGADO A ESTA FAMÍLIA, PELA HOSPITALIDADE E A PREOCUPAÇÃO, QUE POR MOTIVOS DE SEGURANÇA DA MESMA NÃO IREI MENCIONAR O APELIDO… ESTA FAMÍLIA FICARÁ PARA SEMPRE NO MEU CÉREBRO E TATUADA NO MEU CORAÇÃO.

(...)

CENÁRIO DA SAGRADA FAMÍLIA:
Horas depois de sairmos do Cazenga, tivemos informação que algum pessoal ferido encontrava-se no hospital AMÉRICO BOAVIDA.

Mas um bom número continuava a ser agredido, na zona do supermercado JUMBO, na VILA-ALICE, na SAGRADA, na PRAÇA DA INDEPENDÊNCIA, enfim, havia muita violência patrocinada pelo suposto EMPRESÁRIO DA JUVENTUDE (Bento Kangamba), que mais uma vez mostrou ao mundo a democracia do JES/MPLA.

O kota FILOMENO minutos antes de ser agredido por 4 (QUATRO CAENXES), ligou para a comandante BETY, a alertá-la do que se estava a passar,mas nada mudou.

Ninguém me tira da cabeça que a porrada do kota FILOMENO, não tenha sido indicada, porque os CAENXES recebiam orientações por telefone, deixaram escapar tantos para seguirem o kota e espancá-lo numa cantina do MAMADOU. Por que será?

Quem orientou a violência? Quem?

Minutos depois a comandante BETY foi vista a passar no local… A quem diga,
Que ela apenas foi confirmar se o trabalho estava a ser bem feito. Indefesos continuamos pacíficos - lições extraídas em GANDHI, LUTHER e MANDELAApanhando muita surra dos comandados do novo HITLER".

(...)

Por Harvey Keitel Madiba (Decano da Universidade Hip Hop)




J.I

quinta-feira, 15 de março de 2012

Antes do Coito, Os "Preliminares" | Colectivo à Resistência | Brevemente


Depois de distribuir pouco mais de 500 CD's do seu disco promocional, do qual constam as músicas "Manifesto do Gueto", "O rap moldou-nos" e "Saudades", que registou centenas de downloads na versão digital, o grupo Colectivo à Resistência apresenta o projecto "Preliminares" que vem introduzir o seu álbum de estreia, "Arte & Cidadania" e aguçar as expactativas à volta do mesmo.

"Preliminares" será lançado via internet, uma música em cada 10 dias, pela www.kazadazrimaz.blogspot.com e outros blogs parceiros. O projecto terá quatro músicas, distribuídas um  por cada um dos elementos do grupo, que posteriormente serão compiladas em CD's com o single e oferecidas ao público sem acesso à internet.

Sobre o álbum "Arte & Cidadania", de salientar que o mesmo conta com participações de Mona Dya Kidi, MonoStereo, Don Wilson, Pablo 'O Samaritano', C.O, entre outros amigos do grupo e, terá produções de Boni da Diferencial, Levell Khronico, C.O, Flagelo Urbano e Nobre.

Já para download no dia 17 de Março estará disponível a música "O Propósito" de Soldado Mensi


Por Sebastião Vemba


Fiquem atentos!


J.I

Mixtape "Dxkarga Vol. 1" - Koncreto Mc | Download Completo


Disponibilizamos agora para download completo e gratuito o primeiro volume da mixtape "Dxkarga", de Koncreto Mc.


Baixe aqui.


J.I

"Shot Caller" - Slash Com XDZ | Quinta Mágica


No âmbito da sua saga denominada "Quinta Mágica", Slash apresenta o som "Shot Caller" com a participação de XDZ.

Uma música que atrai mais pelo ritmo (crunk) do que pelas rimas que não trazem muito de novo. Baixem e viajem pelo eggotrippin destes jovens.

Baixe aqui.


J.I

VIDEO: YC X Mixtape "A Recolha Vol. 2" (Black Version)



J.I

"Coveiros" - Mac D Com Abdiel | Download


Aqui vai mais uma faixa da mixtape "Eu Tive Que Vir" de Mac D, O Murmu-Yo. Desta vez não é intervenção social como o mano nos habituou; trata-se um skill (eggotrippin, como chamam agora) e o seu convidado não podia ter sido melhor escolhido: Abdiel, junta-se a Mac D para interpretar "Coveiros". É a conexão Lobito-Luanda.

Baixe aqui.


J.I

"Teleprisão" - Mutu Moxy tcc Intelektu | Download


Enquanto esperamos pelo album "Senso Clássico", o mano atira mais um som para download gratuito. 

"Teleprisão" aborda um tema que desde os primórdios do Rap vem sendo denuciado pelos rappers undergrounds: a alienação de mentes perpetrada pelos mass-midia. Mas Intelektu vai mais longe, acusando empresas como a Unitel,  Sonangol, Endiama, Movicel, Chevron e outras, de compactuarem com isto na busca por lucros

O estilo é o característico deste McRap com um cheirinho a Jazz.

Baixe aqui.


J.I

VIDEO: "Tempos Difíceis" - G. Kappa & Ladilson | Download

Video da musica "Tempos Difíceis", dos jovens G. Kappa e Ladilson.

Curta:



J.I

quarta-feira, 14 de março de 2012

ENTREVISTA COM DREAD JOSEF | Brevemente


Aos mais novos amantes da cultura Hip Hop, apresentamos Dread Josef: pioneiro do movimento Hip Hop Mwangole. Foi líder da primeira organização de hip hoppers que se fundou aqui na banda na década de 1990, o Núcleo Rap. Função que conquistou pelo seu carisma e retórica filosófica.

Conversamos com o rasta-man, actualmente a residir no Lubango e, ficamos a saber da sua visão sobre o actual estado do movimento, seu plano de lançar um álbum este ano (as promocionais brevemente em exclusivo aqui no BALUMUKENU), bem como dos verdadeiros motivos que o mantiveram afastado durante este tempo todo.

Fiquem atentos!


J.I

segunda-feira, 12 de março de 2012

RAPPERS MANIFESTANTES SÃO ESPANCADOS


Ikonoklasta (na foto), Carbono, Jang Nómada e Pandita Mc são alguns dos rappers que foram vítimas de espancamento, decorrente da manifestação organizada por estes, Sábado passado, contra a permanência da mamã da O.M.A, Suzana Inglês na chefia da Comissão Nacional Eleitoral (CNE).

À semelhança do que aconteceu em Dezembro do Ano passado, a manifestação que se pretendia pacífica foi bruscamente interrompida por elementos à paisana e mesmo até por agentes policiais.

Veja o video:



J.I